Posts Tagged ‘Amigos’

Festa à fantasia

terça-feira, junho 22nd, 2010

Eu ADORO festa à fantasia. Existe algo de tão teatral nas roupas e nos ambientes que não tem como eu não gostar!

Com vocês, a Moranguinho!

_22062010_fantasia01

Fernanda de Moranguinho

Tati, Gabi (a aniversariante! e eu

Tati, Gabi (a aniversariante!) e eu

As amigas espanhola e Moranguinho

As amigas espanhola e Moranguinho

Espanhola Tati e Zorro Fernando

Espanhola Tati e Zorro Fernando

Franciscano Má e Moranguinho Fê

Franciscano Má e Moranguinho Fê

Agora me conte: qual é a sua fantasia preferida quando vai a uma festa assim? :-)

Alegrias,

Fernanda.

Fernanda e Blanda na festa do rosa!

terça-feira, junho 15th, 2010

Pessoal,

Desculpem o “sumiço”, mas estava em São Paulo para uma reunião e em breve terei ótimas notícias! :-)

Venho contar sobre a festa do rosa que aconteceu sábado. Eu estive lá, as florzinhas de Blanda estiveram lá (você não tem uma florzinha da Blanda? Precisa ir a um evento para ganhar a sua!). Foi muito divertido, uma delícia. Vejam se não estava um LUXO! ;-)

_15062010_rosa01

_15062010_rosa02

_15062010_rosa03

_15062010_rosa04

_15062010_rosa05

ADORO!

Alegrias,

Fernanda.

Orgulho de ser brasileira

terça-feira, fevereiro 2nd, 2010
_bahia08

Elevador Lacerda

Com tantas imagens lindas fica até difícil escrever algo à altura, sabem? Mas o resumo é esse: chegamos na madrugada de sábado, nossos amigos nos buscaram no aeroporto e ficamos por Salvador. Dormimos pouquinho, acordamos e fomos para o Farol da Barra, Igreja de Nosso Senhor do Bonfim (maravilhosa!), Mercado Modelo (ai ai ai nos perdemos na lojinha de pimenta, azeite de dendê, cocada e manteiga de garrafa), Pelourinho (e então conhecemos o famoso elevador Lacerda) e ali, no Pelô, deu para sentir a energia boa que tem a Bahia. Foi muito muito muito bom. E em toda a viagem conhecemos baianos tão bacanas que… não tem como não sair de lá apaixonada pela Bahia.

Rosi e Gui nos levaram para almoçar moqueca (eu quero todo dia agora, como fica?) e comemos caranguejo também. Fomos para Jacuípe ver o encontro do rio com o mar. Eita lugar lindo! De lá para Guarajuba, na casa dos nossos amigos, Município de Camaçari. À noite, praia do Forte. Domingão cedo na praia para mergulhar. Itacimirim, na Praia da Espera. Acarajé, nham nham nham. No fim do dia, fomos ver o Rio Pojuca. À noite, feirinha lá em Guarajuba, cada coisa linda, aquelas rendas maravilhosas… Adoro. Segunda na praia do Forte para um novo mergulho, e é incrível a diversidade, peixes lindíssimos, moreias e piscinas naturais tão quentes que não dá para imaginar.

Depois da praia, projeto Tamar para ver as tartarugas, almoço e sorvete. Aliás, cada sorvete! Mangaba, Umbu, Cajá e Tapioca foram meus preferidos, mas ainda teve Siriguela, Coco Verde e tantos outros que esqueci o nome. Cada fruta boa que tem aquele lugar! Fomos recebidos tão bem pelos nossos amigos que nos sentimos em casa, visitamos lugares incríveis e a viagem de dois dias e meio parece ter durado um mês. Obrigada, amigos, pela recepção! Obrigada, Bahia, por nos receber. Bahia, você me aceita como moradora? hehehe ;-)

Alegrias,

Fernanda.

Aniversário surpresa para a amiga

segunda-feira, janeiro 11th, 2010

Domingo, 11h30. Apitos, bexigas, brigadeiros, casadinhos, bolo, banner, abraços, amigos. Foi assim que a Rubia foi recebida no dia do seu aniversário. Minha amiga linda, feliz 25 anos! (cof cof cof). Foi tão bom, tão bom, mas tão bom, que descubro que nem pra tudo eu tenho palavras. E tem coisa melhor do que ter amigos?

11012010_rubia01

Alegrias,

Fernanda.

Bem vindo, 2010!

sábado, janeiro 2nd, 2010

01012010_anonovo10

Um lindo 2010 para todos nós, com muita luz e alegrias!

Fernanda.

Amigo famoso

terça-feira, novembro 10th, 2009

Estou republicando “na unha” todos os posts do blog antigo (do domínio .COM) para não perder os escritos. Alguns foram pouco visualizados, ou são posts que eu adoro, então irei republicá-los com a data nova. Espero que gostem e, enquanto isso, os posts atuais continuam, tá?

Eu não assisto ao Vídeo Show porque, bom, eu não assisto a nada que passa no horário em que estou trabalhando, com exceção de telejornal. Mas navegando na web esses dias eu encontrei um link (na verdade, no blog do ator Wagner Santisteban) para uma matéria que teve a participação da minha amiga Telma, irmã do Wá. O mais engraçado é que é surreal assistir a alguma coisa assim, sabem, parece mentira, mas podem passar anos e anos que a imagem que eu tenho deles sempre será de infância. Assistam à matéria aqui.

E então para as moçoilas que são fãs do Wagner, eu posso garantir que ele é uma graça mesmo, um fofo. A família dele toda é. Conheci a Telma quando tínhamos 10 anos, porque temos somente um mês de diferença na idade. Íamos ao mesmo clube e estudávamos na mesma escola, apesar das salas separadas. Também descobrimos que morávamos em bairros vizinhos e nossa amizade foi crescendo, crescendo… que foi com a Té que eu passei os momentos mais legais da pré-adolescência (ainda existe isso ou a galera pula direto pra adolescência?)

Tínhamos um grupo na rua, onde fazíamos bailinhos (nas garagens), éramos amigas na escola e no clube, então estávamos sempre juntas. Nossos pais se conheciam e foi a mãe dela quem me deu meu primeiro animalzinho. A Tati, gata deles, deu cria, e adotamos a Cherry, uma gatinha preta de patinhas brancas que foi minha primeira amiga felina. Anos mais tarde fomos nós que demos a eles o Juba, gatão peludo amarelo adotado.

Meu irmão era muito amigo do Wagner, que é pouco mais de três anos mais novo que eu e a Té. E eu lembro daquela carinha de criança quando ele ia lá na casa dos meus pais brincar. Lembro-me também, anos mais tarde, das nossas saídas para baladinhas e festas. Fui a muitas festas com eles, viajei com a Té, passeamos muito, ainda somos amigas e eu gosto muito dela e de toda a família.

Hoje eu vejo esse garotão fazendo sucesso na TV e ele ainda é o mesmo rapaz gente boa, centrado e modesto. Porque a família é do bem, todos eles são pessoas muito queridas mesmo. Isso me prova que sucesso só sobre à cabeça de quem é bobo e fraco. E o Wagner é o contrário. Na vida real ele é divertido, boa companhia, inteligente. Sabe quando você torce por alguém de verdade? Eu torço por ele – e pela minha amiga, claro. Então já sabem… assistam à novela “Caras e Bocas” e prestigiem o trabalho do Wagner. Certo?

mai09_wagner01_

mai09_wagner02_

Do fundo do baú… achei essas fotos de quando o Wagner fazia a novela “Éramos Seis” no SBT e eu fui conhecer os estúdios com a Telma. Acabamos fazendo figuração e foi um dia incrível.

mai09_wagner03_

mai09_wagner04_

Essas são mais recentes, numa festinha na casa deles para o aniversário da Té, com direito a karaokê e churrasquinho (na época em que eu ainda comia carne vermelha). Morar longe tem suas desvantagens. Estou com saudade.

Alegrias,
Fernanda.

Um brinde à madrugada e aos amigos!

sexta-feira, novembro 6th, 2009

A madrugada é, para mim, o que há de mais inspirador. O silêncio me faz companhia, o calor dá trégua e enquanto todos dormem, a minha mente se agita. Eu sempre disse que acredito em relógio biológico e que cada pessoa se adapta melhor a uma rotina e posso comprovar isso nos últimos dias.

Enquanto escrevia acompanhada da árvore de Natal piscante e dos gatos sonolentos, uma amiga veio conversar comigo. E o que eram dúvidas se transformaram em ideias. O que era desânimo virou empolgação. A cada dia mais eu sou grata pelos amigos que tenho nesta vida. Por Deus ser tão bom comigo por me permitir conhecer pessoas boas, que me ajudam sem pedir nada em troca, que me dão coragem e suporte.

Na minha vida é assim, eu sempre digo: minha melhor terapia é conversar com um amigo (vai ver por isso nunca fiz terapia de verdade, eu alugo um amigo, olha que sacana!). E empresto meus ouvidos também, porque é assim que é feita uma amizade.

Um brinde à madrugada!

Alegrias,

Fernanda.

E o fim de semana?

sexta-feira, outubro 23rd, 2009

_19102009_casamento01

_19102009_casamento02

_19102009_casamento03

_19102009_casamento04

Com atraso, mas as fotos estão aqui. E outro final de semana já nos aguarda. O que vocês vão fazer nos próximos dias?

Alegrias,

Fernanda.

Tenha pelo menos um amigo

segunda-feira, outubro 5th, 2009

Lendo uma matéria de 2006 da revista Superinteressante, que eu adoro, vi um tópico que quero discutir com vocês. Em resoluções que podem fazer sua vida melhor, foram feitas propostas e entre elas: tenha pelo menos um amigo.

A amizade libera substâncias hormonais no cérebro que favorecem a alegria de viver e o bem-estar. Segundo o psicanalista Contardo Calligaris, o único jeito de ultrapassar a barreira da solidão é justamente tendo pelo menos um amigo e um amor. “Não se consegue uma amizade sem generosidade”, afirma o psiquiatra. Para termos pelo menos um amigo, diz ele, precisamos nos livrar daquilo que ele chama de “avareza de si mesmo”. Trocando em miúdos: doar-se, estar disponível, saber trocar. E, principalmente, olhar além do próprio umbigo.

Você tem pelo menos um amigo? Parece uma pergunta boba, de resposta simples, mas não é. Estou falando de amigo mesmo, que dá e recebe, que troca, que incentiva, que é sincero. Porque a coisa mais fácil do mundo é encontrar companheiros de balada, de cervejada, de churrascada. Complicado mesmo é poder desabafar e ser você mesmo, ora ajudando, ora sendo ajudado. E aí, pensou melhor? Diminuíram as opções?

200284892-001

As pessoas têm a tendência natural de buscarem atenção. Se estiverem com um problema, procuram um amigo. Mas aí o problema se repete, o problema muda, o problema cresce e a pessoa hipotética (mas verdadeira) continua sendo o centro das atenções. Ela acredita tão piamente que seu problema é maior do que o dos outros que se esquece que os outros também querem ser ouvidos. Que as pessoas que a ouviram também têm seus dias ruins. E quando essas pessoas somem, ela ainda se sente injustiçada.

Livrar-se do umbiguismo é tarefa difícil. Ouvir é uma das mais raras qualidades encontradas hoje em dia. Ouvir e ler, porque nesses tempos modernos, a internet é, sim, uma grande ferramenta de aproximação entre amigos.

Ouvir e ler parece fácil, mas não é. Experimente lembrar de quantas vezes você parou para ouvir alguém que precisava nesta semana. E calcule, assim por alto, quantas vezes requisitou o ouvido de alguém para suas lamúrias.

É claro que um dia você requisita, em outro você doa. O problema mora em quem não sabe alternar esses dois verbos. Porque amizade é uma via de mão dupla e se você trafega somente em um sentido, pode ter o outro interditado.

Se conseguir ter um amigo, somente um, pelo menos um, que seja exatamente o que dissemos aqui, então você tirou a sorte grande (e seu amigo também). E, certamente, a vida de vocês é mais feliz do que se não tivessem um ao outro.

Alegrias,

Fernanda.

Como é bom ter amigos

domingo, setembro 27th, 2009

Estar em Sampa é uma oportunidade para encontrar alguns amigos. Não dá para ver todos, por causa da loucura do dia-a-dia (e que eu entendo!), mas quando eu consigo encontrar meus amigos, fico mais feliz. Alguns eu verei da próxima vez, que deve ser em breve, bem breve.

Na sexta-feira, depois da ida à Aparecida do Norte, para onde vamos todos os anos, eu e Má encontramos a Mari (sem ela muita coisa boa não teria acontecido na minha vida nos últimos meses), a Fê (uma das minhas primeiras leitoras, ela ficava brava com um dos personagens do livro como se ele existisse, eu adoro! risos) e o Felipe (Rosquinha, um revisor fantástico e com paciência para minhas loucuras). Comemos comida mexicana e rimos bastante.

Eu, Rosquinha, Fê (vestida de anja) e Mari. O Má foi o fotógrafo e não saiu :-)

Eu, Rosquinha, Fê (vestida de anja) e Mari. O Má foi o fotógrafo e não saiu :-)

No sábado, aproveitamos a ida de Rosi e Gui para Sampa (eles moram na Bahia) e nos encontramos em um shopping. Todas as vezes que vejo a Rô eu a abraço tão forte, tão forte, que em quase todas as fotos nós aparecemos assim, agarradas :-) A minha história de amizade com a Rosi, que logo completa 10 anos, é inusitada e muito linda (obra de Deus), mas até um pouco engraçada. Não conto. Quem sabe, um dia, eu conto num livro, hehehe.

Eu e Rosi. Saudaaaaaade!

Eu e Rosi. Saudaaaaaade!

Nós quatro.

Nós quatro.

Um ótimo inicio de semana a todos.

Alegrias,

Fernanda.

Ser amigo é…

domingo, dezembro 21st, 2008

dez08_amigos01…Dar risada junto, compartilhar segredos, alegrias (para que se multipliquem) e tristezas (para que elas fiquem menores)…
Eu e Carol Di, desde 1985 ou 1986, por aí (quando ela estudou com meu irmão)

dez08_amigos02…Contar as histórias mais absurdas e rir, rir, rir…
Eu e Carola, desde 1992, quando nos encontramos em um grupo de teatro e em seguida na turma do inglês

dez08_amigos03…Compartilhar os sonhos e as conquistas, dia após dia (e ganhar uma editora de presente!)…
Eu e Lu, desde 1996, quando nos conhecemos no colegial

dez08_amigos04…Conseguir manter uma amizade no pior ambiente possível e depois esse laço bacana só crescer com o passar dos anos…
Eu e Fê, desde 2001, quando ela começou a trabalhar na empresa em que eu trabalhava

dez08_amigos06…Torcer pela felicidade do outro…
Eu e Juliana, desde 1987, quando eu estudei com a irmã dela, a Lúcia, minha outra grande amiga!

dez08_amigos07…Compartilhar o dia a dia com bom humor e alegria…
Eu e Cláudia, desde 2005, quando eu comecei a trabalhar no jornal em que ela já trabalhava

dez08_amigos08…Admirar o trabalho do outro e torcer pela sua felicidade…
Eu e Sherry, desde 2008, quando nos conhecemos por intermédio da grande amiga, querida demais, Ana Cláudia

dez08_amigos09…Ser um porto-seguro…
Eu e minha família amada, desde sempre, para sempre.

dez08_amigos10…Estar sempre perto mesmo quando longe fisicamente…
Eu e Ivinho, desde 1987, quando nos conhecemos na 2ª série e desde então não nos separamos mais

Estas são apenas as fotos recentes. Há amigos especiais que não estão nas fotos, mas sabem que estão no topo do coração também. Meus queridos que moram em São Paulo, em Curitiba, em Venda Nova, em Goiânia, no Rio de Janeiro, em Sumaré, em Salvador e no exterior. Obrigada por serem meus amigos, todos vocês.

Alegrias,
Fernanda.

Uma palavrinha

quinta-feira, dezembro 11th, 2008

E então eu recebi por e-mail aquelas brincadeiras de descrever o amigo em uma única palavra. Legal, eu gostei, respondi todas. Mas acabei não enviando o e-mail para ninguém – para saber qual seria a única palavra “para mim”, a que me descreveria melhor. Fiquei curiosa, pensando no que os amigos ou conhecidos escreveriam. Qual é a palavrinha que me descreve?

Eis que recebo depois um e-mail de uma amiga que iluminou o meu dia cinzento e hoje, quando precisei, novamente recorri às palavrinhas dela. Resolveu me “devolver” a palavra da tal brincadeira. Ela escreveu assim, desse jeitinho:

“E sua palavra é FÉ!
Quase “Fê”, rsrs. ;-) )
Fé em Deus, fé no amor, na amizade, na esperança, no ser humano, num mundo melhor, no poder que os animais tem sobre o Homem, no poder da transformação e, por fim, fé em você mesma (apesar dos dias difíceis), pois no fundo você sabe que é alguém especial e que faz toda a diferença por onde passa. E, por isso, faz bem feito (trabalho, por exemplo). ;-)
Aaaaiiiiii, eu e minha língua que não se contém em uma única palavra!!!! rsrsrs
Beijos amada amiga, eterna otimista!
Ana.”

Não é linda? E generosa? :õ)
Um amigo muda tudo na nossa vida. Pra tão melhor!
Ah, e qual é a minha palavrinha pra você? Leitor amigo ou leitor caladinho que eu adoro, com qual palavra você descreveria a moça aqui?
Um abraço apertado e um prato de brigadeiro pra cada um!

Alegrias,
Fernanda.

Cartas e lembranças

quinta-feira, junho 12th, 2008

Eu fico pensando, acho que seria melhor se eu não parasse tanto para pensar, porque muitas vezes fico em dúvida e outras chego a conclusões que não quero aceitar. Talvez seja porque a realidade é incrivelmente mais dura que os meus doces e ternos sonhos. Neles as coisas sempre são corretas, as pessoas felizes e eu, completamente satisfeita, sem dúvidas ridículas que eu normalmente possuo no meu dia a dia. Aí eu penso o quanto somos fortes e não sabemos… somos corajosos por enfrentar novas situações e pessoas estranhas e diferentes por inovar, ou pelo menos tenta… a mudar este país. Somos parte do que é a alegria que move o mundo, considerados a esperança do amanhã. Somos diferencialmente distinguidos por nossas aptidões e vocações pessoais e, acima de tudo, sonhadores. Eu sonho tanto e não tenho receio de dizer isso a ninguém. Mas queria, ao menos às vezes, poder entender porque na vida real estes mesmos sonhadores que compartilham o mundo com você te fazem sofrer, magoam e nem se quer se preocupam em entender seus sentimentos… Ah, queria…

Esta sou eu, aos 16 anos, em 17 de março de 1996. O texto foi resgatado pela minha amiga Luciana, com quem eu trocava longas cartas na adolescência – que se transformaram em longos e-mails hoje em dia. Há pouco tempo ela me emprestou umas dezenas de cartas que escrevi para ela nessa mesma época. Minha idéia era fazer a pesquisa para um livro, que ainda penso em escrever, e ainda não consegui devolver o material. Lá estão as minhas palavras, memórias, pensamentos… E quando eu leio, penso “como eu podia ser tão adulta e ao mesmo tempo tão criança?”.

Resgatar os meus escritos foi um dos presentes da minha amiga. Em folhas de caderno da escola, em qualquer papel que encontrava pela frente. A nossa troca de cartas selou uma amizade que começou há 14 anos, em um momento turbulento da nossa adolescência, mas só aumentou e seguiu por todos os anos seguintes, em que pudemos compartilhar lindos acontecimentos.

Acabo de completar um ciclo importante. Fechei um processo que se iniciou em outubro de 2006, quando essa mesma amiga me incentivou de tal maneira que eu não tive como ter outro pensamento além de acreditar em mim. Quando eu “esquecia”, ela pedia novas páginas. Muitas pessoas perguntam por que nunca enviei meus escritos, mas eu sou assim. Apesar de falante e escandalosa, não sou de incomodar ninguém, não. Minha modéstia exagerada me impede de “mostrar” o que faço. Montar esse site aqui, acreditem, foi o resultado de uma luta interna muito grande. E hoje aprendo a ser diferente.

A Lu sempre esteve ao meu lado, não importava a distância de nossas casas. Ela pedia mais, fazia campanha, escrevia textos alegres e eu não tinha como dizer não. Assim construí uma história. Tenho muito a agradecer a muitas pessoas que me incentivam nessa caminhada, muitas amigas queridas que me escrevem, me ligam, me mandam recadinhos, me esperam no shopping enquanto faço pesquisa, me aturam. Nesse processo todo, não posso esquecer da minha primeira editora informal, editora amiga, editora on-line. E ela ainda me deu esse texto lindo de presente no blog dela.

Vamos brindar o dia de hoje.

Alegrias a todos e Feliz Dia dos Namorados ao meu namorado-marido!

Fernanda.